1%

Atualizado: Jun 18


A regra dos 1%

Texto original do grande amigo e bike fitter Peter Spencer: www.gcbikefit.com.au

"Há alguns anos, tive o prazer de passar alguns verões com o para-campeão mundial de ciclismo Jiri Jezek. Sua filosofia de treinamento era "quanto mais, melhor" quando se tratava de quilometragem.Durante as enchentes de Brisbane ele ainda conseguia rodas 6 horas por dia no mínimo e perguntava curiosamente porque não nos juntamos a ele, já que a chuva não era tão fria.

O Strava estava em sua infância e nem todo mundo o usava como hoje em dia. Fui um dos primeiros a adotar, e meu Garmin até tinha altitude nele (raro naquela época). Notei um padrão, achando que era uma coincidência, mas quando perguntei a Jiri sobre isso mais tarde ele esclareceu que não era por acaso. Ele tinha um relógio de altitude, mas nenhum Garmin, e havia estabelecido metas para ganho de altitude. Essa é a base da regra do 1% e foi assim que começou.

Regra: Se a altitude ganha num treino não ultrapassar 1% da distância percorrida, você não "treinou". Você só "rodou saudavelmente".

Por exemplo: se você pedalar 100km, é necessário ter tido 1000m em ganho de altitude para afirmar que treinou.

Existem algumas exceções à regra, como se você treinar no velódromo ou no plano fazendo esforços, ou no rolo onde a altitude não pode ser calculada.

É justo dizer que esta regra se aplica mais claramente aos quilômetros de base, já que se torna cada vez mais popular fazer esforços baseados em potência em estradas planas, mas eu sou da opinião de que a regra permanece. Faça seus esforços em terrenos mais variados.

Em relação ao bike fit:

Esta é uma das maneiras de quantificar com que tipo de ciclista estou lidando. Há uma correlação incrível entre pessoas que andam com menos de 0,5% e têm dores de selim que não aparecem em pedaladas acima de 1%. Na verdade, colocar pressão nos pedais aumenta a pressão dos pontos de contato e torna você um ciclista mais forte, ao mesmo tempo que tem um segundo efeito colateral positivo." A idéia de traduzir este texto é mostrar que treinar em terrenos variados traz, além de ganhos em rendimento, benefícios posturais muito significativos.
Um toque importante: 1% no Pico do Jaraguá ou em Aldeia da Serra é muito mais intenso do que 2% em Romeiros, por exemplo. A escolha do tipo de trajeto e terreno é pessoal e de acordo com o objetivo.



11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo